sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Viola

Atrás da viola toca o tocador
O diabo vive correndo atrás de nosso senhor
Atrás da bola corre o jogador
E do trabalho corro como brasileiro nato que sou

No baralho e na poesia é que eu gasto o meu suor
Atrás das horas todo dia minha noite fica bem maior
De tempo em tempo quando me lembro
Me meço e estou tão menor
Tropeço, esqueço, e sei no espesso vento seco
Que não estou só

Em frente ao sonho tem o sonhador
Reflete ao sol a cor e o silêncio
Na certa a luz do dia espera a noite amanhecer

Tropeço, nos dedos, os medos presos
Tento lento ser um tanto ou talvez melhor
Tropeço, acerto, eu sei, no espelho (sempre certo):
Mais de perto a carne vira pó.

(Em parceria com Lionel Braga Netto - 14/01/2007)

2 comentários:

  1. você não liga pra mim, mas eu ligo.

    meus comentários sempre são sorrisos: =)

    =*

    ResponderExcluir
  2. lindo poema.
    boa parceria, pelo visto.

    ResponderExcluir